Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/02/2017

ESTÓRIA E MORAL: O argueiro e a trave

Estória

Era uma vez um ministro das Finanças que na apresentação do relatório OCDE, com o secretário-geral da OCDE a seu lado, disse,
«Todas as instituições internacionais falharam nas suas previsões. Mas o seu erro não foram as previsões. Foi não compreenderem a essência da política económica do Governo» 
Esse ministro das Finanças foi o mesmo que falhou todos as suas previsões, com especial destaque para o investimento público que era para aumentar quase 8% e acabou a reduzir-se e as exportações que eram para aumentar quase 6% e aumentaram menos de 1%.

 Clique para ampliar (situação em Junho de 2016)
Se falhou grosseiramente em tudo o que resultava das proclamadas politicas anti-austeridade miraculosas, incluindo o crescimento do PIB que o documento dos 12 sábios liderados por Centeno previa um crescimento em 2016 de 3,5% que acabou em 1,3%, e, suprema humilhação, inferior ao 1,6% em 2015 do governo da austeridade, conseguiu um resultado melhor precisamente na... austeridade, com um défice orçamental inferior ao previsto (à custa da queda abissal do investimento público, das cativações e dos perdões fiscais).

Moral

Por que vês tu, pois, o argueiro no olho do teu irmão, e não vês a trave no teu olho? Ou como dizes a teu irmão: Deixa-me tirar-te do teu olho o argueiro, quando tens no teu uma trave? Hipócrita, tira primeira a trave do teu olho, e então verás como hás de tirar o argueiro do olho de teu irmão.
(Mateus, VII: 3-5).

Sem comentários: