Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

15/02/2017

CASE STUDY: Trumpologia (13) - Unintended consequences

Mais trumpologia.

A esquerdalhada que no capítulo do exercício das liberdades económicas só vê os buracos do queijo - as chamadas falhas do mercado, que pressurosa e diligentemente se propõe corrigir com menos liberdades e mais intervenção estatal, tende a ver agora (outra vez), depois da vitória de Trump e das ameaças de Le Pen e dos outros demagogos, falhas da democracia no exercício das liberdades políticas. E, esperai o pior, propõe-se corrigir essas falhas pelos mesmos métodos.

Não sei como a esquerdalhada explica com seu arsenal doutrinário os resultados de um inquérito pós-eleições a uma amostra de trabalhadores americanos publicado pelo insuspeito Washington Post que apontam para alguns factos singulares: um terço dos trabalhadores dizem que os seus colegas falam agora mais de política do que trabalham; passam duas horas a ler sobre política durante o horário de trabalho em média 14 artigos nas redes sociais; 20% participaram numa manifestação desde a eleição.

Será isto uma falha da democracia?

Sem comentários: