Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/02/2017

CAMINHO PARA A INSOLVÊNCIA: De como o melhor que pode acontecer ao paraíso prometido aos gregos pelo Syriza é ser um purgatório (LXII) - Pesada herança

Outros purgatórios a caminho dos infernos.

Aviso que o tema deste post tem pouco a ver com a geringonça grega composta pelo Syriza e a o Anel (um partido de extrema-direita). A não ser na medida em que o casamento Syriza-Anel é um casamento à grega (mas podia ser à portuguesa) com parceiros gregos numa festa grega. E acontece que a situação actual resulta de uma festa grega (mas podia ser uma festa portuguesa) que durou três décadas.

Centro de canoagem e caiaque de Atenas 2004
Uns anos antes da festa acabar em 2010 com o resgate, os gregos proporcionaram-se o luxo de gastar 7 mil milhões de euros para organizar Jogos Olímpicos de 2004 em Atenas. O que resta desses milhares de milhões? Centros aquáticos e de vela, estádios de hóquei, softball e taekwondo e a vila olímpica abandonados e destruídos pelo vandalismo e a negligência.

Congratulemo-nos, pois, nós os portugueses, que partilhámos os frutos do socialismo com os gregos mas em vez do Pasok a enterrar dívida em instalações para as olimpíadas tivemos o PS de Guterres e Sócrates a enterrar divida em autoestradas nas quais podemos continuar a queimar gasolina passeando de norte a sul.

Sem comentários: