Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/02/2017

CASE STUDY: Trumpologia (14) - Da pós-verdade à pré-verdade

Mais trumpologia.

Sábado à noite num comício na Florida, Donald Trumpm referiu-se a «what's happening last night in Sweden» para designar um suposto motim provocado por emigrantes no dia anterior.

No domingo e na segunda-feira seguintes, indignados de todo o mundo revoltaram-se emocionados contra as trumpalhadas do Donald. Um dos indignados foi o primeiro-ministro sueco Stefan Lofven que exortou Trump e outros líderes a «serem responsáveis pelo uso correcto dos factos e verificarem todas as informações que espalham». Carl Bildt, um ex-primeiro-ministro sueco, liberto dessas responsabilidades, foi mais longe e perguntou-se «o que Trump tem andado a fumar?»

Segunda-feira à noite, ainda as indignações incendiavam os jornais, a blogosfera e as redes sociais, um violento motim com polícias cercados e atacados e carros incendiados, ocorreu em Rinkeby, um subúrbio de Estocolmo habitado por uma maioria de imigrantes, como reacção a uma tentativa da polícia prender no metro uma pessoa procurada, (Fonte)


«Peter Springare, que trabalha como investigador para a polícia em Örebro, uma pequena cidade no sul da Suécia, escreveu: "Estou tão cansado. O que estou escrevendo aqui não é politicamente correto. Mas eu não me importo. Nossos pensionistas estão de joelhos, as escolas são uma bagunça, a saúde é um inferno, a polícia está completamente destruída. Todo mundo sabe porquê, mas ninguém ousa ou quer dizer o porquê.» (Fonte)

Em conclusão, quanto mais a esquerdalhada em geral, o politicamente correcto e o jornalismo de causas em particular, negam a realidade, mais abrem o caminho aos demagogos transformado-os em profetas da desgraça.

Sem comentários: