Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

12/03/2015

Pro memoria (226) – O estalinismo está vivo no jornalismo de causas

«Quem controla o passado, controla o futuro; quem controla o presente, controla o passado» escreveu em 1948 George Orwell no seu «1984», possivelmente inspirado nas práticas correntes à época na União Soviética de José Estaline de reescrever a história e suprimir nas fotos os caídos em desgraça (a maioria assassinados ou apodrecidos no Gulag) – exemplo: Leon Trotsky desapareceu completamente das fotografias oficiais.

Pois bem, muitas décadas depois, o New York Times publicou uma foto da marcha da comemoração do 50.º aniversário do Blood Sunday em Selma, Alabama da qual suprimiu George W. Bush que se encontrava na cabeça da manifestação a meia dúzia de metros de Obama. Ora compare-se a primeira foto publicada pelo NYT centrada em Obama com a foto seguinte.

Fonte: Telegraph via Insurgente

1 comentário:

Anónimo disse...

Acredito que as fotos ou são foto-montagens, ou tiradas em fases diferentes do percurso.
Basta atentar na distribuição dos personagens que fazem a "linha da frente".
Se formos pela hipótese de "fase diferente do percurso", obama, sua gravata, as mãos e a inclinação do corpo são diferentes. O restante pessoal é quase todo diferente.
Se cortaram alguém, deve haver dezenas de fotos a prová-lo. Com telemóveis ou pads é canja.