Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/03/2015

CAMINHO PARA A INSOLVÊNCIA: De como o melhor que pode acontecer ao paraíso prometido aos gregos pelo Syriza é ser um purgatório (XV) – A hermenêutica das epístolas de Alexis e Yanis

Outros purgatórios a caminho dos infernos.

É cada vez mais indispensável uma paciência de santo para aturar o casal Tsipras-Varoufakis. Reuniões psicodramáticas vão a caminho da dúzia. Epístolas dirigidas às luminárias europeias já são quatro: 18 de Fevereiro, 23 de Fevereiro, 5 de Março e 15 de Março.

Em matéria epistolar os rendilhados retóricos são tão elaborados que é indispensável um guião para os interpretar. É o que nos oferece o Financial Times em 5-densas páginas-5 que começam por uma advertência:

«For those who are having a hard time following every twist an turn in Tsipras’ dispute with his bailout lenders, the letter is filled with a lot of jargon and references to multiple previous exchanges of letters, which can be confusing even to a Greek crisis veteran. For that reason, below is an annotated version of the Tsipras letter, which is our modest attempt to explain its intricacies to the uninitiated.»

e terminam com um lamento: «This isn’t going to get any easier for either of us».

Não vai ser fácil para ninguém. Pela minha parte, não estou optimista quanto à eventual saída da Grécia da Zona Euro - isso seria uma bênção para todos e em especial para os portugueses. Pelo contrário, é possível que a Grécia consiga com as suas chantagens e a preciosa ajuda da geoestratégia de Obama continuar na Zona Euro e vir a ser para a União Europeia o que Paquistão é para os Estados Unidos, mas com os talibãs no governo.

Sem comentários: