Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/03/2015

CONDIÇÃO MASCULINA: E porque não vestirem sutiãs?

«Figuras públicas calçam saltos altos em defesa dos direitos da mulher». Parece haver uns quantos homens que não encontram o seu soi-disant self identitário ou, para adaptar a paródia que escrevi há 10 anos para ironizar com as tretas do falecido Prado Coelho,
talvez ocultem o desejo recalcado, o ímpeto reprimido, a vontade semântica de resolver o assunto in situ. Repressão auto-infligida que conduz inescapavelmente ao trespasse simbólico, à ponte desconstruída por um processo identitário do self para a persona intuída da mulher desconhecida. Um self sem salvação, nem ressurreição, nem redenção. Um self pleno de subjectividade racional, singular, patriarcal e eurocêntrica, onde reside, afinal, um foco de tensões entre retrocesso e progresso. Um self polimórfico criador de subjectividades que anseiam ripostar ao centro, desconstruindo-se para o efeito.

1 comentário:

Anónimo disse...

Um bom exemplo de um académico que só sabia escrever em complicaduquês.
Antes seu Pai que era inteligente, sabedor e humilde.