Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

30/03/2015

LA DONNA E UN ANIMALE STRAVAGANTE: Para tirar os trapinhos qualquer causa é boa, mas há umas melhores que outras (16)

Outros trapinhos tirados.


Levou algum tempo mas o movimento tirar os trapinhos chegou às massas femininas. Até recentemente era a vanguarda da Femen com as suas activistas que «libertavam o mamilo». Não mais. Graças às redes sociais chegou a «revolução» (sim, é essa a palavra) que «começou na Islândia, após uma jovem de 17 anos ter sido criticada no Twitter por participar numa campanha que defende que não deveria haver qualquer diferença entre a imagem de um rapaz em tronco nu e a de uma rapariga. Após o seu caso, a 'hashtag' #FreeTheNipple tornou-se viral e o Twitter está hoje cheio de fotos de mulheres a mostrarem os seus mamilos

Segundo o jornalismo de causas trata-se de «retirar a carga sexual atribuída por muitas culturas aos mamilos femininos». Para quando o movimento para retirar a carga sexual injustamente atribuída aos pénis?

1 comentário:

Anónimo disse...

Mas é já a seguir.
Após os judeus cortarem parte com a circuncisão, é um passinho cortar o resto
Não é para isto que se fazem gravidezes só com esperma e óvulo?
abraço