Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/03/2015

Mitos (190) – O TARP foi a socialização dos prejuízos (7)

Outros exemplos do mesmo mito.

Recorde-se, o mito em causa, muito carinhosamente alimentado pela esquerda europeia, é o TARP (Troubled Asset Relief Program) ter sido uma invenção da administração Bush para salvar a bolsa dos capitalistas da economia de casino à custa dos contribuintes americanos.

neste ponto de situação se viu por volta de Outubro do ano passado que o Tesouro americano tinha recuperado com lucro todo o dinheiro aplicado no bailout. Quase metade do lucro de 46,3 mil milhões de dólares que reverteu para os contribuintes deve-se à AIG liderada por um gajo teso chamado Robert Benmosche que morreu a semana passada de um cancro que o acompanhou quase desde a nomeação pelo governo americano para liderar o turnaround da AIG.

Durante esses anos, Benmosche conseguiu resultados espantosos que meteram nos bolsos aos contribuintes americanos 22,7 mil milhões de dólares.

Fonte 
Uma vez mais, quando comparamos com o bailout doméstico do BPN (e talvez com o do BES, que pode correr mal) temos de dar razão ao Impertinente: «a pátria do capitalismo é o inferno dos capitalistas» e acrescentar o socialismo lusitano é o paraíso dos capitalistas.

Declaração de interesse: quase há 20 anos este vosso criado ajudou ao parto de uma sucursal da AIG e teve oportunidade durante 2 anos de sentir o pulsar de um grande grupo segurador presente em quase uma centena de países.

Sem comentários: