Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/03/2015

CASE STUDY: O homem providencial para o Estado Previdência (11)

(Outros feitos do homem providencial)

Adicionalmente às promessas anteriores, Carlos César, o homem de Costa na presidência do PS, prometeu que quando o ungido chegar a S. Bento os clientes do BES serão ressarcidos «na íntegra das aplicações que eles fizeram». (*)

Deixando antever o que fará se levado ao colo até S. Bento pelos amantes do Estado Sucial, as corporações e os ressabiados do regime, António Costa deixou na câmara de Lisboa uma derrama de 1,5% como adicional ao IRC das empresas com sede em Lisboa (simplesmente a maioria das empresas que pagam IRC e a maioria deste). É a taxa máxima e nem sequer tem uma taxa reduzida, ao contrário de uma parte significativa das câmaras.

Eis aqui, portanto, prenunciado o paradigma do que será a governação socialista se os eleitores distraidamente lhe derem a vitória nas próximas legislativas: aumenta-se a despesa pública e aumentam-se os impostos.

(*) Segundo a estimativa citada pelo Expresso, a «íntegra» a que se refere Carlos César do papel comercial emitido pelas empresas do GES pode atingir 6 mil milhões de euros (6.000.000.000 €) isto é 3,4% do PIB de 2014 ou seja mais do que défice do OE previsto pelo governo para 2015. É, sem dúvida, mais um exemplo do trilema de Žižek.

Sem comentários: