Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

18/03/2015

ACREDITE SE QUISER: Como um bastardo sem remissão foi adorado por uma multidão de patetas

Certamente Steve Jobs foi um pequeno génio e talvez não tivesse sido um sacana terminal «ruthless, deceitful, and cruel» como o descreve Alex Gibney no seu documentário «Steve Jobs: Man in the Machine» (ver The Daily Beast), mas há poucas dúvidas que era literalmente um bastard que enganou da forma mais mesquinha o seu amigo e sócio Steve Wozniak, tratou de forma miserável a sua namorada e mãe do seu filho, a quem começou por negar a paternidade, e imensa outra gente com quem se cruzou, incluindo muitos dos que trabalhavam para ele.

Não obstante, Steve Job era idolatrado por uma multidão de patetas e, acrescente-se, muitos dos radicais do género chic abriam para ele uma excepção no ódio aos "capitalistas". Mais ou menos a mesma multidão odiava Bill Gates, que não é nenhum santo, mas face a Jobs mereceria ser beatificado. Entre outras razões porque criou a Fundação Gates a que se dedica full time com a mulher Melinda e a quem doou uma parcela importante da sua fortuna ao mesmo tempo que convenceu umas dezenas de capitalistas malvados – entre eles Warren Buffet, o sage of Omaha - a doarem pelo menos metade das suas fortunas para filantropia.

Enquanto isso, Jobs, profundamente egoísta e egocêntrico, quando voltou do seu exílio à Apple em 1997 suspendeu todos os programas filantrópicos e só mais tarde deixou a Apple doar uns milhões de dólares – trocos – ao Fundo Global para a luta contra a SIDA.

Et pourtant ainda hoje aos mesmos patetas lhes treme a voz quando dele falam, ou a pena quando sobre ele escrevem.

1 comentário:

Anónimo disse...

muito bem!