Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/03/2015

Dúvidas (82) – Onde pára a lista?

«Afinal a "lista Lagarde" foi ou não pedida pelas autoridades portuguesas em 2010? É sobre esta questão que os responsáveis directos da altura não se entendem e o único consenso que parece haver é que nenhum deles teve acesso à lista.

Se por um lado, o ex-ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, e o ex-secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Sérgio Vasques, asseguram ter dado indicações à Direcção-Geral dos Impostos para pedir a lista, por outro, o então director-geral da DGCI, Azevedo Pereira, garante nunca ter recebido instruções nesse sentido.

Em causa está a lista que contém nomes de 611 clientes com ligações a Portugal e 855 milhões de euros depositados na filial suíça do banco britânico HSBC.» (Económico)

Não é extraordinário que ande meio mundo a esgravatar a falta de 2.800 Euros de contribuições para a Segurança Social de Passos Coelho durante 5 anos como profissional liberal, falta pela qual ele seria o principal prejudicado porque não lhe seriam contados esses anos para o cálculo da pensão, a qual deu origem em poucos dias a mais de uma centena de referências nos mídia, e há 5 anos que ninguém se inquieta com evasão fiscal de algumas centenas de milhões de euros?

1 comentário:

Anónimo disse...

Uns filhos de uma mãe querida... por muitos