Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

07/03/2015

CAMINHO PARA A INSOLVÊNCIA: De como o melhor que pode acontecer ao paraíso prometido aos gregos pelo Syriza é ser um purgatório (XII) – já estão a assaltar os mealheiros

Outros purgatórios a caminho dos infernos.

Sem acesso aos mercados e com os fundos da troika - perdão instituições – congelados, o vencimento de um empréstimo de 1,5 mil milhões do FMI ainda este mês e a tesouraria seca, o governo Syriza-Anel está a assaltar as reservas de caixa dos fundos de pensões e de entidades do sector público usando operações de recompra de curto prazo através das quais os fundos e essas entidades fazem depósitos com os quais o banco central grego financia a agência de gestão da dívida pública que oferece como colateral obrigações do tesouro grego. (Reuters)

António Costa, um admirador das políticas do governo grego, deveria fazer uma cimeira com Tsipras ou pelo menos enviar um assessor a Atenas para se familiarizar com estas técnicas.

1 comentário:

Anónimo disse...

Um bom raciocínio desmente-se sempre.

QUEM SÓ TEM UM MARTELO VÊ TODOS OS PROBLEMAS COMO PREGOS...

Afinal também dá para os porquinhos-mealheiros.

Abraço, eao