Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

31/03/2015

ARTIGO DEFUNTO: Metendo os pés pelas mãos


A propósito da publicação pelo INE do «Procedimento dos Défices Excessivos (1ª Notificação de 2015) – 2015», que, note-se, tem uma única referência ao impacto da banca (a saber: que a capitalização do Novo Banco por agora não tem nenhum impacto, como se sabe), o DN espalha-se em dissertações delirantes sobre «o custo suportado pelos contribuintes com apoios ao sector financeiro e bancário, diretamente refletido nos sucessivos défices orçamentais desde 2008

Na dissertação, o jornalista confunde as ajudas de capital aos bancos, nomeadamente BCP e BPI (este já restituiu a totalidade da ajuda), que não têm impacto no défice e até foram um bom negócio para o Estado que recebeu juros muito acima dos correntes, com o aumento de capital da CGD e, pior de tudo, confunde aquelas ajudas e a injecção de capital na CGD com a torrefacção que José Sócrates pela mão de Teixeira dos Santos deixou montada para queimar dinheiro no BPN fazendo uma nacionalização do BPN que, nas palavras de Teixeira dos Santos, «não custou nada» e o nada vai já em 7 mil milhões.

Com estes delírios, o jornalista não apenas meteu na mesma caixa coisas completamente diferentes como, de caminho, tentou limpar a caderneta do governo que nos conduziu à bancarrota. Leva a medalha «preso 44».

Sem comentários: