Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

30/11/2014

DIÁRIO DE BORDO: Prenúncios de mais do mesmo

Os sinais que nos chegam do congresso do PS não são animadores para um partido que, salvo um improvável mas não impossível cataclismo, governará um país que acaba de sair de um resgate e poderá facilmente entrar noutro.

Discursos verborreicos e demagógicos, cabeças firmemente enterradas na areia e um secretariado nacional – o órgão de direcção do partido – com o centro de gravidade totalmente à esquerda, composto por figuras e figurinhas do esquerdismo infantil mitigado que ficariam bem no BE e nos ameaçam com mais do mesmo.

São indícios preocupantes confirmados pelo abandono de Francisco Assis, cabeça de lista nas europeias, do congresso e dos órgãos de direcção do PS.

Aditamento:

«É claramente um partido com uma linha de orientação mais à esquerda do que aquele que eu preconizaria. … É um modelo de partido que não é o meu, não me reconheço», disse Assis ao DN.

1 comentário:

Antonio Cristovao disse...

Tanto irrealismo : governará este país!!
nem conseguiram falar de corrupção numa altura em que são presos altos quadros do estado e condenados ex dirigeeets partidarios!!
Eu imagino que se aparece uma força com um discurso bem estruturado o que farão os eleitores sem trela- que serão talvez perto dum milhão.