Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/11/2014

Encalhados numa ruga do contínuo espaço-tempo (25) – Esmagados pela queda do muro de Berlim

Se há uma coisa que devemos admirar no PCP é a fidelidade ao seu passado. Onde outros partidos, mesmo comunistas – veja-se o caso dos partidos comunistas francês, espanhol e italiano – já teriam feito uma revisão doutrinária, ou pelo menos uma mudança de discurso, face ao colapso de todas experiências comunistas nas suas diversas concretizações e ao estado comatoso das que restam, como Cuba e a Coreia do Norte, o PCP mantém puro e duro tudo: a doutrina, a sua versão da história, o discurso e as políticas.

Fugindo das «notáveis realizações nos planos económico, social e cultural»

Com uma extraordinária clareza, o panfleto, chamemos-lhe assim, publicado no Avante! «A chamada «queda do muro de Berlim» mostra-nos que o PCP se encontra exactamente onde o deixou Álvaro Cunhal, não quando morreu em 2005, mas quando foi nomeado secretário-geral há 70 anos.

É como que um fanatismo religioso. Credo quia absurdum.

1 comentário:

Antonio Cristovao disse...

As religiões não têm discussão