Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/11/2014

Dúvidas (63) - Porque será que estou surpreendido?

Face à prisão de José Sócrates e às acusações que sobre ele impendem, houve quem tivesse como primeira (e única em muitos casos) dúvida como foi possível mais uma finta ao segredo de justiça.

Francamente não me ocorreu essa dúvida. Mea culpa, mea maxima culpa. Ocorreram-me outras: como foi possível a justiça deste país ter apagado durante quase duas décadas os rastos de inúmeros casos que o sujeito deixou desde o caso Cova da Beira em 1997; como foi possível um sujeito deste calibre ter sido líder do PS e primeiro-ministro durante 6 anos; como é possível o líder que está no lugar dele se ter declarado seu sucessor e defensor da sua obra e estar preocupado em não tirar o retrato do sujeito da fotografia; como é possível que, perante um caso destes, haja quem se preocupe por ter sido fintado, uma vez mais, o segredo de justiça.

1 comentário:

Antonio Cristovao disse...

Perante a prisão do motorista e do amigo do Socrates os estupidos dos jornalistas de investigação não tinham mais a nao ser esperar o convite (em papel couche) para se apresentarem ao serviço, até para evitar teorias da conspiração ridiculas.
Mas não os imbecis começaram a somar dois mais dois e nâo é que abusivamente avançam para o terminal de camionetas da expo as espera do expresso do Algarve?. Se não fossem as fugas ao segredo de justiça ainda lá estavam hoje os tolos!!!