Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/11/2014

CASE STUDY: Salvemos a PT dos seus salvadores (2)

Continuação de (1)

Recapitulando:
  • Em 2007 a OPA da Sonae PT valorizou a PT em 11,8 milhões; a OPA foi chumbada pelos accionistas liderados pela Ongoing, em nome do seu deus ex machina BES, fazendo o papel de white knight a salvar a PT das garras dos Azevedos, com a inestimável colaboração do BCP então ocupado pelos amigos de José Sócrates, ele próprio uma personagem incontornável nesta farsa; aos accionistas foram prometidos e pagos mais tarde chorudos dividendos que desnataram a PT;
  • Em 2010 a PT acabou a vender por 7,5 mil milhões a Vivo, a jóia da coroa, à Telefonica, numa operação intermediada por José Sócrates e acólitos, pelo lado do PS, que usaram a golden share do Estado português para manter a PT no Brasil, e Lula da Silva e acólitos, pelo lado do PT, a PT pagou o dobro do preço pelas acções dos accionistas privados em relação às do BNDES e dos fundos de pensões públicos comprando uma participação de 25% da Oi por 3,75 mil milhões com as sequelas conhecidas; três anos depois esta participação valia 2,4 mil milhões e hoje vale 900 milhões; no total foram injectados pela PT na Oi cerca de 6 mil milhões;
  • Por várias vezes, a última das quais quase 900 milhões este ano, a PT comprou papel comercial da Rioforte - uma holding do GES - que hoje valem zero, episódio que os accionistas da Oi – os detentores da PT - aproveitaram para dar o estoque final;
  • Em resultado destas manobras, os accionistas portugueses apenas têm participação através da PT SGPS na Oi da qual a PT (isto é o operador que tem o negócio) é uma subsidiária; a PT SGPS vale hoje menos de 10% da valorização da OPA da Sonae e menos de metade da NOS – o operador que resultou da fusão da Zon (ex-TV Cabo, um spin off da PT) com a Optimus (o operador da Sonae), cujos accionistas, por grande ironia da história, se propõem comprar a PT SGPS aos accionistas portugueses que rejeitaram a OPA de 2007.
É neste quadro que surge o celebrado «resgate da PT» defendido por uma dúzia de lunáticos que esqueceram tudo, nada aprenderam e nem mesmo ainda não perceberam que esse «resgaste» passaria por comprar a PT à Oi se esta a quiser vender, pelo preço que esta quiser e com o dinheiro que ninguém sabe de onde viria já que os accionistas da PT SGPS teriam que vender acções da Oi que ninguém quer comprar para financiar a compra de 25% da PT à mesma Oi. Ainda que isso fosse possível, e não é, voltaríamos ao ponto de partida, ao papel centralista e clientelar do Estado.

Como claramente o caso do «resgate da PT» está a mostrar com os dois albergues espanhóis que se digladiam, a linha divisória do espectro político em Portugal não passa pela esquerda-direita. Passa pelo papel do Estado, que para uns deve ser por defeito e para outros deve ser só se não tiver outro jeito.

Sem comentários: