Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/11/2014

ARTIGO DEFUNTO: As causas do padrinho do jornalismo de causas


Há quase uma década, recordei aqui uma entrevista de Baptista-Bastos ao Independente onde nos iluminou com o conceito de jornalismo de causas, termo que julgo terá ele improvisado ali mesmo, na excitação de ter acabado de receber um prémio pelo Clube de Jornalistas, e que o (Im)pertinências desde logo adoptou no Glossário:
«O jornalismo tem que ser sobretudo o porta-voz daqueles que não têm voz.» «Não há factos. Os factos correspondem à visão do mediador, do repórter. (Defendo um jornalismo de indignação e) ... também um jornalismo de causas».
Recordei este episódio a propósito da notável peça de jornalismo de causas datada de 1980, saída da pena de Baptista-Bastos como enviado especial à RDA e recordada no Insurgente por André Azevedo Alves. Nessa peça Baptista-Bastos explica porque «vale a pena viver na República Democrática Alemã», experiência que o colapso do império soviético 9 anos depois já não torna possível usufruir.

1 comentário:

Antonio Cristovao disse...

Apesar de vos dar razão deixem o homem viver mais uns anitos com as saudades dos tempos em que o jornalismo era jornalismo (a espera da decisão da pide se podiam ou não publicar).
Não desfaçam o sonho do homem que talvez seja o sal e o tempero destes tempos agrestes.