Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

17/03/2013

SERVIÇO PÚBLICO: Desta vez também não é diferente

Já por diversas vezes citei «This Time Is Different – Eight Centuries of Financial Folly», um estudo de Carmen Reinhart e Kenneth Rogoff sobre as crises financeiras desde o século XII. De uma dessas vezes sublinhei o padrão de crises bancárias recentes desde a Europa até à Ásia: aumento médio de 7% do desemprego com a duração média de 5 anos; queda de 9% do PIB per capita na média de 2 anos; aumento da dívida pública de 86% nos 3 anos seguintes.

Tendo como referência esse padrão das crises e considerando que a crise portuguesa é uma crise da dívida pública e privada depois de 10 anos sem crescimento e com crédito abundante e barato, não é difícil concluir que a nossa crise:
  • Está dentro desse padrão, diferentemente do que o coro dos indignados nos quer fazer acreditar;
  • Veio para ficar, ainda que este governo fizesse tudo bem, o que está muito longe de ser verdade.
É este segundo aspecto que Kenneth Rogoff acentua em entrevista ao Expresso deste fim-de-semana, onde prevê que sem perdão da dívida estagnaremos mais de uma década. Pode não estar escrito nas estrelas, mas já o escrevi há dois anos e é cada vez mais provável a dívida pública ter de ser reestruturada, combinando reescalonamento com redução dos juros e haircut.

1 comentário:

Luis Moreira disse...

Convinha que a UE acordasse...