Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/03/2013

A mesma corporação

A mesma corporação que se envolveu com tudo aquilo que aqui recordei, em especial o golpe de 28 de Maio de 1926 que colocou no poder uma ditadura retrógrada, o golpe de 25 de Abril de 1974 como consequência acidental de um protesto reivindicativo contra a promoção a capitão dos oficiais milicianos que davam o couro numa 2.ª comissão, que assistiu num ruidoso silêncio ao longo caminho para a insolvência, enquanto se batia pelas «promoções por arrastamento», essa mesma corporação continua a agitar-se e a dar voz a tentações golpistas.

Como a voz do general Vasco Lourenço que garante que "se sentisse que havia condições [para fazer um novo 25 de Abril] já estava a preparar outro», ou como a da Associação Nacional de Sargentos, cujo porta-voz garante que «todos os cenários estão em cima da mesa, da elaboração de uma simples exposição à presença na rua».

  Podemos não poder dormir descansados por não estarmos certos se essa corporação está pronta a combater uma ameaça ao país, mas podemos ter a certeza de que está pronta «a todos os cenários» para fazer valer os seus direitos adquiridos como corporação.

Sem comentários: