Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

05/03/2013

CAMINHO PARA A INSOLVÊNCIA: Procrastinando

Os ministros das Finanças decidiram hoje na reunião da Ecofin aceitar o princípio de alongar as maturidades dos empréstimos concedidos a Portugal e à Irlanda ao abrigo do programa de assistência e remeteram a decisão para a troika. Decisão que, conhecendo-se a posição actualmente mais flexível do FMI, será provavelmente positiva.

Estamos a falar de maturidades dos empréstimos e não de alongar ainda mais a adopção de medidas de reforma do Estado e dos objectivos do défice, cujo adiamento significaria quase certamente a derrapagem definitiva do PAEF e o esgotamento do pouco ímpeto reformador que o governo tem mostrado.


Neste contexto, é não é um bom sinal o aumento de 4,2% das vendas em retalho em Janeiro, muito acima dos 0,9% da UE. É certo que o pagamento dos duodécimos pode ter tido um contributo, mas reduzido porque a maioria dos empregados optaram por não antecipar os subsídios; por outro lado, sendo o mês de Dezembro tradicionalmente um mês com maior consumo, o aumento em Janeiro tem um significado mais forte.

Sem comentários: