Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

14/03/2013

SERVIÇO PÚBLICO: O princípio do princípio (16)

Continuação de (1), (2), (3), (4), (5), (6), (7), (8), (9), (10), (11), (12), (13), (14) e (15)]

Não é de todo caso para embandeirar em arco, até porque estamos afundados na recessão, mas o certo é que as exportações voltaram a mostrar em Janeiro uma dinâmica positiva à custa dos mercados fora da EU.

Também o saldo da balança comercial de bens mostra uma evolução notável nos últimos anos. Em resultado simultaneamente de um aumento das exportações e de uma redução das importações de montante praticamente igual, o saldo negativo passou de 25,3 mil milhões para apenas 10,8 mil milhões, menos de metade em apenas 4 anos. Considerado o saldo agregado das balanças de bens e serviços, e corrente e de capitais, atingiu-se pela primeira vez em décadas um saldo positivo das contas externas, ou seja, o ano passado interrompeu um longo ciclo de crescente endividamento externo.

[Fonte: Estatísticas do Comércio Internacional - Janeiro 2013, INE]

Sem comentários: