Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

13/03/2013

Chávez & Chávez, Sucessores

Hugo Chávez fez mais pelo seu povo do que o Alberto João Jardim fez pelos madeirenses, terá dito Miguel Sousa Tavares na SIC, no seu estilo habitual de tudo compreender, desde que seja por «boas causas».

Quero acreditar que sim, que fez muito mais do que o Bokassa das Ilhas. Fez e continua a fazer depois de morto, sobretudo a fazer por aquela parte mais próxima do «seu povo». O genro, que era ministro, acabou de ser nomeado vice-presidente por Nicolás Maduro, o actual presidente interino (cargo inexistente na Constituição), que era o anterior vice-presidente, uma espécie de filho espiritual de Chávez, e também esposo da procuradora-geral da República.

Um ex-deputado citado por El País garante que a família de Chávez tem 17 quintas valendo em média 400 a 700 mil dólares, uma frota de Hummers de 70 mil dólares e 200 milhões de dólares contas no exterior e que multiplicaram os 3 hectares que detinham há 30 anos 45 mil hectares. Um dos irmãos de Chávez é presidente da empresa pública Corpoelec e conjuntamente com outro irmão adquiriu dezenas de terrenos, incluindo a fazenda La Malagueña, com mais de 500 mil hectares.

Para quem em vida gritava que «ser rico es malo, es inhumano así lo digo», é obra.

Sem comentários: