Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/03/2013

AVALIAÇÃO CONTÍNUA: Verdadeiros bourbons

Secção Padre Anchieta

Um bom exemplo de gente que nada esquece e nada aprende é o da ex-ministra da Educação Maria de Lurdes Rodrigues nesta entrevista ao ionline, onde debita todos os lugares comuns das políticas socialistas que nos trouxeram até aqui, quer pela mão do PS, em 13 dos últimos 18 anos, quer pela mão do PSD em 3 dos últimos 18 anos (o governo actual é uma espécie de governo híbrido) e numa boa parte do resto.

Na entrevista está lá muito do repertório: «medidas cegas e transversais», «não há professores a mais», «negociação das condições de pagamento», etc. Destaco, porém, duas tiradas que são um paradigma da visão do PS:

«Reformar o Estado por vezes exigiria um aumento circunstancial da despesa para a seguir se poder tornar mais sustentável, às vezes é preciso um investimento inicial», uma espécie de vamos reduzir a despesa aumentando-a;

«O que não é sustentável não é o Estado social, é termos encargos com a dívida desta ordem» ou seja o estado social seria sustentável se não tivéssemos de sustentar a dívida necessária para o manter.

Por tudo isto, é justo avaliar a Dr.ª Rodrigues com 5 bourbons por nada ter esquecido nem aprendido e ainda 4 chateaubriands pela confusão entre causas e efeitos.

Sem comentários: