Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/03/2013

Mitos (102) – Juros usurários (3)

Um dos mitos recorrentes da esquerdalhada, partilhado por uns quantos patéticos, como os picaretas falantes do regime (professor Marcelo, tele-evangelista Louçã et alia), são os elevados juros que pagamos aos nossos credores. Já aqui e aqui referi factos que desmentem em absoluto este mito com que complacentemente se pretende endossar as nossas responsabilidades a quem nos empresta dinheiro.

Os fabricantes de mitos são incansáveis, por isso os demolidores de mitos são obrigados a uma certa persistência. Desta vez, socorro-me de um diagrama publicado há 2 semanas pelo Insurgente que fala mais claro do que toda a mitologia construída à volta da dívida.


Fonte: O Insurgente

2 comentários:

Anónimo disse...

Ou muito me engano ou as legendas/balões estão trocadas.

Impertinente disse...

As legendas estão correctas. Há duas escalas: a da esquerda é a dívida (linha azul) e a da direita é da taxa de juro (linha vermelha).