Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

14/03/2013

Dúvidas (12) – O multiplicador de suicídios?

Segundo os últimos dados disponíveis do INE (*), ocorreram em 2009 1.025 mortes por «suicídio e outras lesões autoinfligidas intencionalmente», menos 1,25% das mortes ocorridas no ano anterior. A formulação abrangente desta classe estatística torna difícil não serem incluídos todos os suicídios.

Sendo assim, não faço ideia de onde o projeto OSPI-Europe, citado pelo Expresso, desenterrou as duas mil pessoas mortas por suicídio, «mais de cinco por dia ... sendo mais de mil registadas como suicídio e outras tantas como mortes violentas indeterminadas, estimando-se que mais de 75 por cento destas sejam suicídios escondidos.» Poderão as luminárias do projeto OSPI-Europe ter ido buscá-las às cerca de 5.200 mortes por «Causas desconhecidas e não especificadas»? Mas o que sabe o OSPI-Europe que os médicos legistas a quem compete comprovar o óbito e determinar a causa e o INE a quem compete contá-los não saibam?

Será mais uma ocorrência do fenómeno das estatísticas de causas como aquelas contagens dos manifestantes do que-se-lixe?

(*) Boletim Mensal de Estatística de Maio 2012

Sem comentários: