Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

18/02/2013

TIROU-ME AS PALAVRAS DA BOCA: «Verdades politicamente incorrectas sobre o desemprego»

«É óbvio que o Governo tem alguma responsabilidade nos números do desemprego que foram alcançados, principalmente por insistir numa austeridade por via fiscal e não por via do corte de despesa. A primeira é muito mais recessiva do que a segunda e por isso mais destruidora de emprego. Mas dizer que é a austeridade a responsável pelos números recorde alcançados não faz qualquer sentido. Não é a cura que está a matar o doente. É a doença que é grave demais.

O que devia ser dito, e que constitui uma verdade politicamente incorreta, é que durante anos sustentámos artificialmente um nível de emprego irreal no sector público e no privado. As políticas orçamentais expansionistas e uma péssima gestão de recursos humanos no Estado encheram os quadros da função pública de pessoas que não eram de facto necessárias.

Gastar o que tínhamos e o que não tínhamos permitiu manter uma procura privada inflacionada que criou emprego apenas sustentado pelo endividamento da economia. Quando foi preciso pagar a conta imaginem quem se tramou?

Se querem apontar o dedo a alguém e encontrar um culpado pelo aumento exponencial do desemprego olhem à vossa volta e encontram os verdadeiros responsáveis. Os salários em Portugal cresceram num ritmo muito superior ao da produtividade. Entre 1995 e 2006 não houve um ano em que isso não tivesse acontecido e muitas vezes o aumento salarial chegou a ser 16 vezes superior ao da produtividade.

Neste caldeirão que é a economia portuguesa juntámos aos consecutivos aumentos salariais sem aumentar a produtividade endividamento externo para comprar produtos que vêm principalmente do exterior, poucas exportações, porque destruímos a indústria em prol dos serviços, e regámos tudo com uma política orçamental irresponsável. E quando o caldeirão explode a culpa, dizem, é da austeridade! Pois claro.»

João Vieira Pereira no Expresso

Sem comentários: