Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

17/02/2013

Se o ridículo fosse mortal, o Dr. Garcia Pereira e o coro do «Que se lixe a troika» estariam todos mortos

Na passada 6.ª feira, umas dúzias de elementos do «povo», entre eles o Dr. Garcia Pereira, um maoísta candidato perpétuo a presidente da República e sócio principal de uma sociedade de advogados cujo negócio principal é facturar chorudos honorários aos quadros de topo despedidos com golden parachutes, cantaram «Grândola, vila morena», numa produção do movimento «Que se lixe a troika», «para lembrar aos senhores deputados é o povo quem mais ordena».

Aquelas dúzias de elementos, representando-se a si próprios e talvez mais umas dúzias que não se deram ao trabalho de cantar, pretenderam «ordenar» em nome do «povo» a uns «senhores deputados» que, por muito medíocre que a maioria deles seja (e é), representam mais de 5 milhões de eleitores.

1 comentário:

Luis Moreira disse...

Estes e outros deviam ir a Chipre ajudar. A governação comunista foi apeada e vai pedir ajuda à troika. Ou lá não se aplica? :http://bandalargablogue.blogs.sapo.pt/178738.html