Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/02/2013

CASE STUDY: A seguir à guerra antiterrorista no Mali, a guerra cambial global

François Hollande, aproveitando o élan bélico no Mali, defendeu na 3.ª feira passada no Parlamento Europeu uma extensão do mandato do Banco Central Europeu, actualmente limitado à política monetária e uma meta de inflação, para incluir também a política cambial porque o euro, segundo ele sobrevalorizado, não deve flutuar «ao sabor dos mercados» prejudicando a competitividade e as exportações.

No seu furor dirigista, Hollande está a confundir a nuvem com Juno. A valorização do euro não é “o” problema da Europa; “o” problema da Europa é a falta de competitividade. As desvalorizações competitivas que Hollande terá em mente teriam consequências a curto prazo nas exportações mas também no custo das importações, criando pressões inflacionistas que na ausência de reformas, que é o que Hollande quer evitar, teriam a longo prazo os efeitos que tiveram em Portugal as desvalorizações de 1979 e 1983.

Sem comentários: