Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

25/02/2013

SERVIÇO PÚBLICO: Capitalismo popular

Inicia-se hoje o período de subscrição das obrigações a 3 anos da Mota-Engil. Imaginemos uma pessoa que esforçadamente tenha conseguido poupar o ano passado mil euros e os queira aplicar nesta emissão, atraído por uma taxa de juro de 6,85%.

Se for a primeira vez que compra títulos, bem provável para quem o fim do dinheiro está em permanente corrida contra o fim do mês, dos atractivos 6,85% vão sobrar 0,52%. Ficam pelo caminho 1,71% para o Estado e 4,62% para o banco. Ora veja:
  • Montante Investido: 1,000.00 EUR
  • Taxa Anual Nominal Bruta (TANB) 6,85%
  • Taxa Interna de Rentabilidade (TIR) - Líquida de impostos 5,14%
  • TIR - Líquida de impostos, comissões e despesas bancárias:
    • Conta que já detenha títulos em carteira 4,24%
    • Conta que não detenha títulos em carteira 0,52%
Quem já tenha títulos em carteira terá uma TIR líquida de 4,24% ficando pelo caminho quase 40% do juro.

Sem comentários: