Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/02/2013

Bons exemplos (51) – Não pode dizer? Ai pode, pode.

Não sendo exactamente um admirador do banqueiro Fernando Ulrich, sinto-me à vontade para o cumprimentar por ter dito o que disse sem receio da polícia do politicamente correcto, por não ter pedido desculpa, por não se ter deixado intimidar pelo ajuntamento de ociosos que o interpelou e, em particular, por aquelas criaturas ignorantes, convencidas e inúteis que passeiam a sua vacuidade pelo parlamento, por exemplo João Galamba e Ana Drago.

1 comentário:

Unknown disse...

Ulrich "despachou" Drago e Galamba muito bem, mas os danos à sua imagem estão feitos. A deturpação das suas palavras e a cobertura mediática dada ao assunto (até ontem) chegou a um n.º incomensuravelmente maior que a cobertura deste frente a frente...

Noutro processo de enxovalhamento - o "caso Franquelim" - o processo é idêntico. Uma ampla cobertura na 1ª fase e, agora SE SE CONFIRMAR que afinal ele denunciou ao BP a situação do BPN, o assunto vai deixar de abrir telejornais... é o jornalismo militante que temos.
http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/02/uma-arma-de-arremesso-politico-chamada.html