Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/02/2013

Bons exemplos (50) – Já foi pior, mas poderia ser melhor

Ocorreu-me perguntar se, apesar de naturalíssimo, regular, legal, acima de qualquer suspeita e do despacho do DCIAP, e ainda de outras coisas, ao Banco de Portugal lhe teria, por seu turno, ocorrido perguntar se, face aos sucessivos esquecimentos de 26 milhões de Ricardo Salgado e outras coisas, não estaríamos perante um caso de duvidosa conformidade com o Artigo 30.º do Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras.

Para meu descanso, tal pergunta parece também ter passado pela mente de Carlos Costa, governador do BdeP, que convocou dois Espíritos por direito natural e um Espírito por direito contratual para lhes fazer umas perguntas sobre idoneidade. Para minha inquietação, não sei (embora imagine) o que responderam e, pior do que tudo, não sei o que vai fazer o BdeP com tais respostas.

Apesar dessas minhas inquietações, tenho de reconhecer que nos tempos do ministro anexo, agora em Frankfurt, os esquecimentos não teriam certamente suscitado qualquer curiosidade a Vítor Constâncio.

Sem comentários: