Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/02/2013

CASE STUDY: A pátria do capitalismo é o inferno dos capitalistas (9)

Anjos caídos recentemente: (1), (2), (3), (4), (5), (6), (7) e (8).

Todos os dilúvios de indignação europeia contra as agências de rating, incluindo as do picareta falante Professor Marcelo que viu nelas o agente da «estratégia americana contra o Euro e contra a Europa», não tiveram quaisquer consequências. O que talvez tenha consequências são as acusações que o departamento de Justiça americano apresentou contra a Standard & Poor por alegadamente ter «melhorado» os ratings de veículos financeiros para garantia de hipotecas que estiveram na origem do crash da crise financeira americana. À acusação federal do departamento de Justiça juntar-se-ão mais de uma dezena de acusações de procuradores estaduais e à Standard & Poors juntar-se-ão provavelmente a Moody’s e a Fitch (uma agência da qual é accionista maioritário a Fimalac, uma holding francesa de Marc Ladreit de Lacharrière, enarca com um château com o seu nome de família).

E as consequências não serão leves: mais de mil milhões de dólares é o montante da multa que a S&P poderá ter de pagar. E assim se confirma, uma vez mais, que a pátria do capitalismo é o inferno dos capitalistas.

1 comentário:

Anónimo disse...

"A D.O.J. lawsuit would be entirely without factual or legal merit,” it said, adding that its competitors had given exactly the same ratings to all the securities it believed to be in question."

Se todas as previsões eram nesse sentido, como é que podem agora apontar o dedo só a eles? Acho que o governo americano quer desacreditar a agência, pois esta deve estar preparada para lhe tirar um A.

tina