Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

17/02/2013

Lost in translation (168) – Grandiosa jornada de luta traduzida significa um fracasso

Nem mesmo recolhendo manifestantes com camionetas das câmaras (*) conseguiu a CGTP reunir nas manifestações de ontem mais do que umas poucas dezenas de milhares de pessoas em todo o país. Em Lisboa, na praça do Município, a densidade de manifestantes era baixíssima, como este vídeo mostra, ou este com imagens do Porto. Com boa vontade, numa praça com menos de 4 mil metros quadrados à razão de 1 manifestante em cada 2 metros quadrados estariam uns 2 mil manifestantes, na sua maioria idosos.

É claro que o agitprop dos comunistas vocaliza estes fracassos em grandiosas jornadas de luta, mas não esconde uma influência evanescente sobre as «massas», mesmo em momentos, como os que atravessamos, em que, segundo a doutrina, o descontentamento popular deveria engrossar as suas fileiras.

(*) Cerca das 14 horas na zona de Azeitão, duas camionetas da câmara de Setúbal quase vazias paravam para pescar um ou outro velhote, como tive a oportunidade de ver.

Sem comentários: