Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

05/02/2013

Não invoqueis em vão o multiplicador (3) – Portas, um keynesiano pós-moderno

Outras invocações: (1) e (2)

Foi agora a vez de Paulo Portas sucumbir aos encantos de Keynes e dos milagres do multiplicador. Com a sua mente imaginativa, Portas não se limitou a usar o multiplicador keynesiano clássico que relaciona o aumento do produto resultante de um investimento com esse investimento.

Ao estipular que um «euro da União Europeia ou do Estado português no desenvolvimento rural mobiliza 4 a 5 euros do setor privado a investir na agricultura», Paulo Portas cria um novo conceito de multiplicador a que poderíamos chamar um potenciador. Por cada euro investido geram-se n euros de produção agrícola e, ainda, segundo a Portas School of Economics (copyright Insurgente), são gerados 5 euros de novo investimento o que, por sua vez, gera 5n euros de produção agrícola e assim sucessivamente até o país estar coberto de couves e os tugas todos dedicados à Lavoura.

1 comentário:

Anónimo disse...

couves não duvido, mas nabos, seguramente...
Neves