Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/07/2012

Os detractores do desconto do Pingo Doce são inimigos dos trabalhadores

Lembram-se do desconto que a cadeia Pingo Doce deu aos seus clientes no Dia do Trabalhador? Sabem quem são esses clientes? Na sua maioria são trabalhadores e outros explorados pelo capitalismo, já que a classe média alta e a esquerdalhada compram as suas mercearias nos supermercados do Corte Inglés.

Lembram-se das reacções a essa promoção de jornalistas, leitores de jornais, sindicalistas, pensadores de todas as correntes, sociólogos, opinion dealers, ministros, políticos de vários quadrantes, os combatentes da ASAE, deputados da nação e muitos outros ilustres, culminando com a ministra socialista Cristas a prometer regular a coisa?

Pois sabe-se agora que a promoção custou à Jerónimo Martins 10 milhões de euros, quantia que no final representou duas coisas boas para os trabalhadores numa só, a saber: uma redução das suas facturas alimentares e prejuízos para os capitalistas. De onde se conclui que quem esteve contra a promoção é inimigo dos trabalhadores.

1 comentário:

skeptikos disse...

Não esquecer a imensa campanha publicitária que tal manobra do 1º de Maio provocou. Creio que foi imbatível.