Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

16/07/2012

Mitos (79) – Juros usurários

Quando se pergunta a um prosélito do «crescimento», naturalmente adversário da «austeridade», quais as medidas que tomaria para substituir a segunda pelo primeiro, todas as medidas apontadas consistem em algo que a Alemanha, ou a União Europeia ou a Zona Euro, ou seja «eles», terão que fazer.

Invariavelmente o que «eles» têm de fazer inclui reduzir os «juros usurários» (professor Louçã, professor Marcelo, constitucionalista Pedro Bacelar de Vasconcelos, camarada Jerónimo de Sousa) ou os «juros altíssimos» (doutor Mário Soares).

O facto de este mito não resistir a 5 minutos de análise e, apesar disso, ser artigo de fé da maioria dos opinion dealers com lugar cativo nos mídia e, por essa via, possivelmente de muitas pessoas, mostra bem a eficácia dos mecanismos de manipulação e o estado de espírito das massas lusitanas sempre dispostas a encontrar uns «eles» a quem se possa assacar responsabilidades pelas nossas misérias.

Diagrama de LR publicado no post «A factura dos juros» no Blasfémias

Sem comentários: