Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

05/07/2012

ESTADO DE SÍTIO: Não passou o teste OQOQCP

Não faço a mínima ideia para que serve uma Entidade Reguladora para a Comunicação Social composta por membros que a propósito do caso Miguel Relvas-Público fazem declarações a uma comissão do parlamento como a que se segue. A não ser que seja para obter um determinado resultado.

«Houve uma tentativa de instrumentalização dos membros do conselho regulador, indireta, triste, através do poder editorial, por quem não faço a mínima ideia, mas por quem queria que a deliberação tivesse um determinado resultado
Num passado já longínquo usou-se uma mnemónica na consultoria para se testar que algo que deveria ser feito estava suficientemente definido. Era OQOQCP significando O quê? Quem? Onde? Quando? Como? Porquê? A tentativa de instrumentalização de que Raquel Alexandra se diz vítima não passou o teste.

Sem comentários: