Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/01/2012

CASE STUDY: quem é o deus ex machina da Ongoing? (13)

[Continuação de (1), (2), (3), (4), (5), (6), (7), (8), (9), (10), (11) e (12)]

Já tratei nos posts anteriores de quem é a Ongoing, quem são os seus dirigentes e o que podemos esperar deles, quais são as suas ligações perigosas e, claro, de quem é o seu deus ex machina.

Até já tinha referido o pormenor da ligação à loja Mozart do ex-chefe dos espiões Silva Carvalho, contratado pela Ongoing muito oportunamente durante a cimeira da NATO. Faltava o pormaior agora tornado público: as ligações à mesma loja de «sete altos quadros da Ongoing, entre eles o presidente e vice-presidente, Nuno Vasconcelos e Rafael Mora, respectivamente, Jorge Silva Carvalho, ex-director do SIED, João Paulo Alfaro, ex-espião, Agostinho Branquinho, ex-deputado do PSD, e ainda os ex-parlamentares Pedro Duarte, do PSD, e Humberto Pacheco, do PS.» (Público)

A esta luz, a Ongoing aparece no centro do círculo de intersecção das forças visíveis (o bloco central, os banqueiros do regime) e das forças ocultas (a maçonaria, os lóbis) do regime. É obra.

Sem comentários: