Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

15/01/2012

Bons exemplos (27)

António Horta-Osório, presidente do Lloyds Bank, provavelmente o melhor gestor português de topo com carreira internacional, renunciou a um bónus de mais de 2 milhões de euros por ter estado doente durante dois meses a recuperar de um stress profundo, causado por intenso micro-management, segundo as suas palavras.

Pode ser que seja má vontade minha, mas suspeito não ser raro os gestores de topo que por cá andam flutuarem sobre a gestão só recorrendo ao micro-management para tratarem da sua carreira em almoços e com os assessores de imagem que alimentam jornalistas para publicarem os manipulados a respeito dos seus clientes. Alguns desses gestores de topo, são os mesmos que chamavam em privado a Horta-Osório «traidor» e «amigo dos espanhóis» na altura em que Champalimaud vendeu o Totta a Santander.

Sem comentários: