Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

19/01/2012

ARTIGO DEFUNTO: A criatura terá tido uma revelação?

Qualquer frequentador regular do (Im)pertinências terá notado que, entre os jornalistas de causas económicas, aqueles a quem chamamos os pastorinhos da economia dos amanhãs que cantam, temos uma particular devoção pela obra de Nicolau Santos a quem já dedicámos largas dezenas de posts.

Quase deixava escapar mais um a propósito da sua indignação (sim, também ele é um indignado, embora com grande atraso) expressa no Expresso de sábado passado com as nomeações para os órgãos sociais da EDP. Não, não é com a comissão executiva, ele saberá porquê. É com o conselho geral. O parágrafo mais interessante é o último, com o qual tenho dificuldade em não concordar. Aqui vai ele.
«Releve-se igualmente o facto de os chineses da Three Gorges terem compreendido rapidamente a essência do capitalismo português: podem mandar à vontade desde que distribuam algumas prebendas e sinecuras pelos notáveis do reino. Aliás, não deve ter sido difícil. O capitalismo estatal chinês reconhece sem dificuldades os seus semelhantes menores. Como é obviamente o caso.»
Fiquei sem ar. Terá Nicolau Santos tido uma revelação ao fim de um calvário de décadas a louvaminhar este capitalismo estatal menor em que temos vivido?

Sem comentários: