Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

23/01/2012

Porque não há crédito para as empresas viáveis?

A falta de crédito para financiar as PME, nomeadamente as exportadoras, é um segredo de Polichinelo. E falta o crédito porque a aversão ao risco pela banca aumentou e pura e simplesmente não há liquidez suficiente para cobrir a necessidades de crédito das empresas do regime, nomeadamente as endividadíssimas empresas públicas, quanto mais as das PME exportadoras.

Segundo as contas de Eduardo Catroga, seriam precisos mais 20 mil milhões de euros de empréstimos da troika para o governo injectar nas empresas públicas e estas poderem amortizar os seus passivos bancários. Isso permitiria à banca libertar meios para financiar a economia. É claro que em consequência a dívida pública para quase 115% do PIB e o serviço da dívida exigiria um novo aumento de impostos.

Portanto, a resposta à pergunta do título é: porque o crédito é canalizado para as empresas inviáveis.

É mais uma razão para o discurso da folga do PS ser tão temerário quanto estúpido.

Sem comentários: