Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

17/01/2012

DIÁRIO DE BORDO: As gerações são como os generais franceses

A propósito da linha Maginot, construída depois da guerra de 1914-7 para deter os exércitos alemães e apropriadamente contornada pelos seus tanques durante a blitzkrieg, disse-se que os generais franceses estavam sempre muito bem preparados para a guerra anterior. Com as gerações é quase a mesma coisa.

A geração dos meus pais vivia frugalmente poupando dinheiro para o desemprego, a doença e a velhice. Não teriam precisado se antecipassem que o Estado Social iria tomar conta deles durante quase todo tempo que restava das suas vidas.

A minha geração viveu acima das posses (e ainda tenta viver) como se os amanhãs cantassem para sempre. Está endividada e sem meios para enfrentar desemprego, doença e velhice.

A geração dos meus filhos, dos indignados, segue o exemplo dos pais e ainda não percebeu que o Estado Social já não lhes pode dar o que esperam e por isso indignam-se com a causa errada. O Estado Social está moribundo e estará morto quando mais precisarem dele.

Estavam e estão todos preparados para o passado. Não estão preparados para o futuro mais provável, que não sabemos exactamente qual será. Só sabemos que não será igual ao passado.

Sem comentários: