Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/01/2012

Eles costumavam defender a família

O CDS ou PP ou CDS-PP, seja como for que eles se chamem, sempre foi uma criatura bizarra, desde o «rigorosamente ao centro» numa altura em que o país estava sob o domínio dos sovietes, até ter produzido pelo menos um proto-socialista, o professor doutor Adriano Moreira, e dois eméritos socialistas, o professor doutor Freitas do Amaral e o engenheiro Basílio Horta.

Também já foram eurocépticos, depois eurofilos e agora parecem atravessar um período dubitativo porque a dona Merkel não está disposta a abrir os cordões à bolsa.

Também já defenderam a família e agora parecem ter dúvidas. O ministro Mota Scooter Soares, preocupado com o sobre-endividamento das famílias, defende o ensino nas escolas da gestão das finanças familiares. Ainda o havemos de ouvir defender a «educação cívica» e a «educação sexual».

Gerindo as finanças familiares
Oremos para o ministro da Educação, aparentemente um sujeito com algum juízo, não vá nestas tretas e se concentre em conseguir que as jovens criaturas saiam da escola a saber a tabuada, ciência sem a qual a gestão das finanças familiares se torna mais difícil do que o cálculo duma integral de Riemann-Stieltjes.

Sem comentários: