Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

17/12/2011

Se os nossos desportistas fossem julgados nos tribunais americanos a espécie extinguia-se

Já receava que a entrega dos nossos políticos à ferocidade dos tribunais americanos acabaria com a espécie. Depois de saber que Barry Bonds, um campeão de baseball, foi condenado ontem por um juiz federal a 30 dias de prisão domiciliária, 2 anos de liberdade condicional, 250 horas de trabalho comunitário e 4 mil dólares, tudo porque a criatura há 8 anos prestou um evasive testimony perante um júri federal, passei a recear que o mesmo destino poderiam ter os nossos desportistas.

Julgo até que não será exagero recear pela liberdade, não apenas dos nossos desportistas, mas de todas as nossas testemunhas que, por via de regra, quando, depois de várias faltas sempre justificadas, comparecem perante um juiz só prestam testemunhos evasivos.

Sem comentários: