Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

07/12/2011

Ferme ta gueule ou bien nous t'enverrons la grosse facture à Sciences Po

Depois de 6 anos de trafulhice nas contas e incúria na gestão da coisa pública e de inúmeras trapalhadas eventualmente suficientes para o encarceramento, num país onde as polícias e os tribunais funcionassem, já todos sabíamos o que valem as palavras de José Sócrates. Estávamos a tentar perceber o que valem os seus silêncios.

Enquanto esteve calado, ainda pudemos acalentar a ilusão sobre se a sua elaborada chico-espertice o iria aconselhar a assim manter-se durante um longo período de nojo. Em 3 de Novembro, ao romper um silêncio de 6 meses para nos insultar a inteligência, alardeando as maiores baboseiras sobre a dívida pública para limpar o seu manchadíssimo currículo, matou-nos a ilusão e fez-nos suspeitar que um atrevimento sem limites não deve ser servido por uma inteligência apenas limitada e por um francês técnico tão deplorável como o seu inglês técnico.


Voilà Jausè Saucratez, très, très, donc, en amphi Bolivar à Sciences Po.


La diapositive manquant dans la conférence de Jausè Saucratez

Sem comentários: