Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

12/12/2011

ESTÓRIA E MORAL: Pérfida Albion

Estória

Os primeiros a serem culpados das nossas desgraças foram os especuladores. Depois as agências de rating, a Alemanha em geral e Merkel em particular. Desde a última cimeira na 6.ª feira passada, o jornalismo de causas acrescentou a estes culpados a Inglaterra por ter votado contra a revisão do tratado de Lisboa e exigir novas cláusulas de opting out no caso de a revisão vir a ter lugar.

Alguns jornalistas possuídos de maior fulgor patriótico, como os do Expresso, escreveram «Cameron ficou isolado, mas dividiu a Europa», como se fosse necessário algum esforço para dividir a Europa. Outros responsabilizaram o Reino Unido por inviabilizar a revisão dos tratados para acomodar as eurobonds e a impressora do BCE, como se a Alemanha estivesse disponível para embarcar nisso. Ainda outros responsabilizaram-no por obrigar a «um entendimento fora dos tratados europeus, ao nível intergovernamental», como se a revisão dos tratados não exigisse vários referendos e como se, dentro de alguns anos, quando talvez estivesse concluída, ainda houvesse Zona Euro.

Moral

«A Inglaterra não tem nem amigos eternos, nem inimigos eternos, mas apenas interesses eternos». (Lord Palmerston, ministro dos Negócios Estrangeiros durante 40 anos)

Sem comentários: