Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/12/2011

Mitos (61) – as teorias da conspiração sobre as agências de rating (VII)

[Continuação de (I), (II), (III), (IV), (V) e (VI)]

O Professor Doutor Marcelo, conhecido especialista financeiro, e as inúmeras outras luminárias que produzem bitaites avulsos sobre agências de rating deverão a breve trecho reformular as suas teorias da conspiração apontando o dedo acusador para as agências americanas – dedo indicador ao qual, no caso da Fitch, se deveria acrescentar o polegar para acomodar o facto de 60% da Fitch serem detidos pela Fimalac, uma holding francesa cotada na bolsa de Paris.

Às agências americanas será preciso acrescentar a agência chinesa Dagong. Depois de ter mordido a mão amiga do banqueiro do regime, a Dagong acaba de degradar a notação da dívida francesa de AA- para A+ justificando com uma lengalenga parecida com as agências americanas. Com amigos destes não precisaremos de inimigos, poderia dizer o grande especialista em dívida pública Professor Doutor Engenheiro José Sócrates, a quem devemos creditar o maior débito da história portuguesa -  o que não é dizer pouco num país com 3-intervenções-3 do FMI nos últimos 34 anos.

Sem comentários: