Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

20/12/2011

NÓS VISTOS POR ELES: Submarino ao fundo (2)

Os dois administradores da Ferrostaal que estavam a ser julgados por pagamento de luvas de 62 milhões de euros na venda de submarinos a Portugal e à Grécia foram hoje condenados a dois anos de prisão com pena suspensa e ao pagamento de multas de 54 mil euros. À Ferrostaal foi-lhe aplicada uma multa de 140 milhões de euros.

Podem extrair-se daqui duas conclusões. Primeira: pode haver corruptores sem corruptos - o facto de tribunais alemães julgarem e condenarem cidadãos alemães como corruptores de cidadãos portugueses e gregos não implica que tribunais portugueses ou gregos julguem e condenem cidadãos portugueses ou gregos como corruptos.

Segunda conclusão: os procuradores alemães negociaram as penas e as multas em troca dos réus se considerarem culpados. Os procuradores alemães têm muito a aprender com os portugueses que teriam ficado a instruir o processo até à prescrição.

Sem comentários: